Por que estudar Música?

A música está por todo lado, na natureza, na cidad

Teca Alencar de Britto, professora de música da USP, alerta: “Sempre se busca um porquê para estudar uma forma de arte”. Para ela, a importância da música está em si mesma: “Primeiro de tudo deve-se ter a música pela música: o conhecimento de mundo, o ritmo, a sensibilidade. Depois, os benefícios que ela traz, como maior atenção, coordenação motora e disciplina”, enumera.
Confira os benefícios da Educação Musical:

1. Descobrir o mundo

Somos seres musicais desde o início da vida, o que muda é a complexidade da nossa relação com o som. A criança descobre as diferenças entre as sonoridades desde cedo, no entanto, para que esta relação se desenvolva, é necessário que haja espaço para ouvir, explorar e brincar.

2. Aprender a escutar

Saber discriminar os sons, não só dos instrumentos, mas do mundo a sua volta, é extremamente importante: trata-se da percepção sonora. Basicamente, é saber reconhecer o que se está escutando, saber que tal som pertence a um violino ou a uma bateria.

Nos ambientes em que vivemos, inclusive o escolar, há muitos ruídos, o que banaliza o som. A Educação Musical, por sua vez, cria espaços para a valorização da escuta. “Ouvir é uma habilidade. É saber prestar atenção, relacionar letra, música, ritmo. Essa percepção pode ser criada por meio de jogos, como improvisação e percussão corporal.

3. Compreender o mundo

A música é feita pelos seres humanos e estes, por sua vez, não estão isolados no universo. Tanto a letra quanto os ritmos e melodias estão inseridos em uma cultura e em um contexto histórico. Estudá-lo ajuda a compreender o sentido da música (ou seus diferentes sentidos).

O caminho inverso também acontece: a própria música serve de instrumento para compreender uma cultura ou a sensibilidade de uma época. Há músicas que ajudam a compreender características de um povo, de uma cidade ou de um movimento artístico, e isso pode ser apropriado para aulas de história e geografia, por exemplo.

4. Fortalecer laços afetivos

Logo quando nascemos já começamos a construir nosso repertório musical, com as cantigas de ninar e as canções infantis.

As famílias também têm suas próprias histórias musicais: podem ouvir e cantarolar estilos do interior, como moda de viola, ou músicas religiosas, típicas de seus países de origem. Essas canções são um material interessante para a sala de aula e ainda envolvem a família toda na Educação.

Além disso, ouvir música em casa é uma forma de compartilhar experiências bacanas. Para a professora Teca, é muito importante que os pais tenham essa convivência musical com as crianças: “Desde o início da infância pode-se criar um vínculo afetivo por meio da música, mesmo com as canções de ninar. O importante não é ter o refinamento, mas a qualidade afetiva. Isto tem um valor enorme para fortalecer vínculos”, conclui.

5. Desenvolver cultura e tolerância

Ampliar o leque musical é uma forma de rever preconceitos. A experiência musical nos coloca em contato com o outro, com a diversidade e com a riqueza.

6. Desenvolver a capacidade de expressão e criatividade

Somos seres musicais, e as crianças, em especial, têm um grande potencial criativo e expressivo, desde que tenha o estímulo certo. A aula de música pode convidá-la a cantarolar, criar, inventar. Construir instrumentos com sucata, por exemplo, é uma forma de despertar este lado.

7. Praticar o raciocínio lógico

A linguagem musical tem formas de estruturar a linguagem. A organização de símbolos musicais envolve a lógica, a matemática. É um sistema racional lógico perfeito. Ao combinar os sons, perceber padrões, lidar com compassos, a criança desenvolve também o raciocínio matemático.

8. Desenvolver a capacidade de escolha, disciplina e organização

Fonte: Educar para Crescer